DICAS PARA ESCOLHER A ESTUFA CERTA PARA SEU LABORATÓRIO

31321-1280x538.jpg

As estufas de laboratório têm aplicações para testes em materiais em vários setores, portanto, há muitos fatores a serem considerados ao escolher uma estufa. Esta postagem do blog apresenta alguns dos recursos mais importantes a serem considerados quando você procura uma estufa.

 

Tipos de Estufas

As estufas podem ter diversas aplicações: incubação, esterilização, secagem: convencional, à vácuo ou por ventilação forçada e  desenvolvimento com ênfase em diversas características que podem ser controladas no interior da câmara: umidade, foto estabilidade, gases, temperatura.

 

Temperatura

Procure um modelo com uma temperatura máxima superior à exigida nos testes. Isso garante maior precisão e uniformidade durante a operação, bem como maior vida útil, já que o termostato, o controlador e os elementos de aquecimento não precisam trabalhar tanto ou com frequência.

 

Convecção

O calor é distribuído por toda a câmara de uma estufa de laboratório, seja por convecção por gravidade ou por ventilação forçada.

As estufas de convecção por gravidade dependem das diferenças de temperatura e densidade no ar para circulação na câmara, e isso pode resultar em pontos mortos. Estas estufas são ideais para aplicações de secagem simples ou em casos em que fortes correntes de ar podem deslocar materiais de amostra leves. Elas são geralmente mais econômicas para comprar e operar.

Estufas de ventilação forçada têm ventiladores que distribuem ativamente o ar através da câmara da estufa para produzir aquecimento uniforme. Muitos padrões ASTM exigem o uso de estufas de ventilação forçada. Aplicações com múltiplas amostras, maiores teores de umidade e uma maior de precisão requerida podem exigir convecção de ar forçado.

 

Tamanho

As dimensões internas da câmara são um fator importante a considerar. A câmara precisa acomodar o tamanho e a forma de suas amostras, e você deve pensar no número de amostras que você precisaria carregar em um determinado momento. Se você selecionar um tamanho de câmara com base em um número que seja muito pequeno, não ocorrerá um fluxo de ar adequado e também seu rendimento de trabalho será prejudicado. Uma câmara que é muito grande significa espaço desperdiçado em seu laboratório e custos operacionais mais altos para aquecer a área da câmara não utilizada. Externamente, a estufa precisa caber no espaço disponível e nas folgas do teto, e você deve ser capaz de movê-la através das aberturas das portas disponíveis. A maioria dos modelos tem prateleiras adicionais disponíveis fáceis de serem acrescentadas.

 

Uniformidade

A uniformidade em uma estufa de laboratório é uma medida de quão consistente a temperatura permanece em vários pontos da câmara. Pontos frios ou quentes afetam a precisão geral e podem afetar os resultados do teste. Todos os fabricantes respeitáveis ​​de estufas indicarão as classificações de uniformidade de seus modelos.

 

Fonte de energia

Você deve conhecer a capacidade e a configuração de sua alimentação elétrica e o tipo de conexão necessária a estufa antes da compra. Você pode precisar levar em conta atualizações ou modificações elétricas antes da instalação. Para algumas estufas, o consumo de amperagem pode aumentar durante o período de arranque.

 

Ventilação

Se os vapores das amostras aquecidas forem indesejáveis ​​ou perigosos, o ar da estufa deve ser ventilado para o exterior. Em alguns casos, a estufa pode ser posicionada sob um exaustor com capacidade adequada, mas muitas estufas têm opções para exaustão direta de ar forçado através de orifícios de saída e alguns modelos incluem opções para motores de exaustão. Amostras com alto teor de umidade também podem necessitar de ventilação. Ventilação segura e eficaz pode exigir os serviços de um profissional para projetar e instalar um sistema ideal.

 

Tempo de recuperação

Abrir a porta da estufa com frequência para adicionar ou remover amostras coloca uma carga adicional no sistema enquanto tenta compensar a perda de calor. Um curto tempo de recuperação de temperatura é um recurso de desempenho desejável, mas requer energia adicional. Se suas especificações exigem um alto nível de uniformidade e precisão, um tempo de recuperação mais curto será importante para você. Caso contrário, a perda de calor pode ser controlada satisfatoriamente, limitando a frequência de abertura da porta e mantendo uma carga de amostra adequada na câmara.

 

Materiais

Muitas estufas de laboratório apresentam interiores em aço inoxidável e construção de prateleiras para resistir à corrosão e deterioração. Se seus materiais não são particularmente corrosivos, você poderia considerar um modelo que tem um interior de aço galvanizado ou galvanizado como uma opção econômica. A construção de parede dupla e o bom isolamento tornam o forno mais econômico de operar, mais uniforme e operam com uma superfície externa mais fria para maior segurança.

 

Opções de controle

Muitas opções de controladores estão disponíveis, desde simples controladores de discagem analógica com termostatos bi metálicos até modelos digitais programáveis ​​de alta precisão com autodiagnostico, registro e funcionalidade de calibração, alguns até mesmo com acesso remoto à web. Coisas legais, mas você terá que equilibrar o custo dos recursos com os benefícios. Se o seu laboratório tiver poucas pessoas, será útil que sua estufa tenha pontos de ajuste de proteção de temperatura e operação remota, automática ou com tempo definido.

 

Por se tratar de um equipamento importante (e caro!) é muito importante pensar bem e tomar uma decisão baseada em informações relevantes.

Podemos lhe ajudar na escolha da estufa mais adequada para sua aplicação.

Se ficou com alguma dúvida, nossa equipe de especialistas ficará feliz em ajudá-lo(a) a escolher o melhor produto

vendas@equipexinstrumentos.com.br

Equipex Instrumentos

Cadastre-se para receber descontos e conteúdos exclusivos

11 98232.9913 | 11 97667.1155